sábado, 21 de março de 2015

Mudanças, amor verdadeiro e itens riscados.


Eu, que pensava que o amor verdadeiro só pousaria no meu coração uma vez, me enganei.


Nos últimos meses muitas coisas têm mudado. Eu venho me conhecendo cada vez mais e escrever crônicas tinha se tornado o último item da minha lista. A empolgação nasceu dentro de mim e estou feliz porque consegui transformá-la em atos que eu nunca imaginei ser capaz de fazer.
Emagreci. Entrei em um número menos de calça. Larguei os blusões. Troquei o óculos. Jurei nunca mais pensar no final da vida. Prometi guardar o passado e só visitá-lo de vez em quando. Me empolguei na escola. Entrei e saí da academia. Iniciei novos projetos. Esqueci o Fulano, mesmo depois de um ano sofrendo pelo desgraçado. Discursei em voz alta, fui aplaudida. Discursei outra vez e me aplaudiram também. E adivinha: outra vez! E me aplaudiram mais ainda. Me senti honrada pelo simples fato de que as pessoas quiseram me ouvir. Me emprestaram seus ouvidos para ouvir uma enrolação tão grande que, no fundo, só fazia sentido pra mim.
Dois mil e quinze mal começou e cumpri três metas da lista que criei. E se ainda tivesse a que escrevi lá no finalzinho de 2013, riscaria a maioria dos itens.
Tudo de melhor me aconteceu. E mesmo quando alguns dias pareciam ser só calmaria e a euforia não me visitava, disse que estava ótima, até acreditar. Repeti todos os dias, para mim e para os outros. No final, estava tudo bem mesmo.
Das milhões de decepções que tinha, só me recordo de ter uma muito grande, a única que não pode ser resolvida por mim. Mudei traços da minha personalidade, e aprendi a tê-los com as pessoas que conheci no ano passado e não dei tanto valor.
De todas as coisas que consegui fazer, há uma que resume todas as outras, a mais importante: conquistei a coragem de transformar os meus medos em impulso para provar o contrário para eles. Os usei para detê-los. E não me pergunte como.
E eu não preciso me lamentar de absolutamente nada. Eu sei que a solução  dos meus problemas está nas minhas mãos, nos meus pés, na minha boca. Com os atos, com as palavras que posso dizer, com as atitudes que posso tomar.
Eu acredito que um dos amores mais verdadeiros de todos, além do amor em Deus, é o amor que encontramos dentro de nós. E eu descobri o amor que existe dentro de mim. O amor que posso distribuir das formas que quiser.
E é como o meu professor de matemática disse: incógnita é o valor a ser procurado. Não podemos aguardá-la se resolver sozinha.

4 comentários:

  1. Oie Isa!
    Que bom 2015 estar sendo um ótimo ano para você, coincidentemente também está sendo transformador para mim! Eu notei que você parece ter problemas de falar em público, certo? Eu sofro com a mesma coisa. E eu também consegui superar parte desse medo :3
    Professor de matemática filosófico. A vida é uma incógnita -q

    RAW ╲ʕ·ᴥ· ╲ʔ

    ResponderExcluir
  2. Oi, Sr Coelho!
    Sim, é sempre bom, né?! E é ótimo que também esteja sendo bom pra você. :)
    Pois é, eu tinha muuuuuitos problemas com isso, mas passei a arranjar uns espacinhos no meio da aula pra defender minhas teorias loucas, haha.
    A vida é uma grande incógnita.

    ResponderExcluir
  3. Hi Isa!
    2015 tem sido um ano bem produtivo, pra você ate agora e espero que continue assim! É sempre bom quando conseguimos superar seja lá o que for não é? E tudo isso fica mais facil quando acreditamos em nós mesmo e que somo capazes!
    Adorei a cronica! ♥
    Chá de textos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laís! Que linda! Muito obrigada, viu?

      Excluir

©